Mais notícias

Secom UnB

RECONHECIMENTO - 04/07/2013

Versão para impressão Enviar por e-mail
Mariana Costa/UnB Agência
 

Othon Leonardos é novo emérito da UnB

Geólogo recebeu título em cerimônia nesta quarta-feira, no auditório da Reitoria
Barbara Arato - Da Secretaria de Comunicação da UnB



 Tamanho do Texto

De pé e sob aplausos entusiasmados, o geólogo Othon Henry Leonardos foi recebido por autoridades e pela comunidade acadêmica na cerimônia que lhe conferiu o título de professor emérito da Universidade de Brasília. A sessão solene ocorreu nesta quarta-feira (3), no auditório da Reitoria. Membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e autor de duas centenas de publicações, o professor uniu, em sua trajetória, os conhecimentos técnicos sobre fertilidade dos solos e a sensibilidade pela causa indígena e pela sustentabilidade do planeta.

Leonardos é o terceiro docente da área de Geociências da UnB a receber o título de emérito. A honraria é reservada aos professores aposentados pela universidade que alcançaram posição de destaque em seu campo de atuação.

“É uma honra estar nesta homenagem para aquele que é minha maior referência científica e bibliográfica", afirmou a ex-aluna e parceira de pesquisas, professora Suzi Maria de Córdova Theodoro, do Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS). Ela contou que se sentiu como “uma adolescente diante do ídolo” ao conhecer o professor Othon. “Naquele dia, não podia imaginar que ele se tornaria meu orientador e amigo”, disse, sobre a relação que já dura 30 anos. Entre as características de seu mentor, Suzi destacou a "curiosidade científica" e a busca pela interdisciplinaridade do conhecimento, ao citar a trajetória de Leonardos no CDS.

A professora contou que Othon Leonardos faz parte de um grupo de intelectuais que ajudou a colocar o curso de Geologia da UnB entre os melhores do país. A experiência do pesquisador na Universidade de Manchester, na Inglaterra, levou para o departamento laboratórios de ponta e um acervo bibliográfico importante na área. Suzi também lembrou o engajamento do geólogo em questões ambientais e na causa indígena. “Sua percepção de que nosso planeta estava em perigo trouxe a clareza de que nem sempre o desenvolvimento acompanha a sustentabilidade”, disse Suzi. Ela ressaltou que Othon “conviveu com cientistas das mais diversas áreas” e que “o conhecimento empírico das comunidades indígenas e tradicionais nocauteou suas últimas certezas”.

Mariana Costa/UnB Agência
 

Foi um amigo conhecido em uma das incursões de Leonardos pelo país que protagonizou um dos momentos mais emocionantes da cerimônia. Em homenagem ao geólogo, o líder indígena Álvaro Tukano entoou um cântico pela paz. “Nós desconfiamos do homem branco até hoje. Projetos como [a usina] Belo Monte, ferrovias e hidrovias não nos salvarão. Acreditamos que o que nos salvará são homens como Othon Leonardos e outros admiráveis cientistas brasileiros”, disse Tukano. Na plateia, também estava o cacique da etnia caiapó metuktire, Raoni Metuktire, a quem Othon se referiu como “irmão espiritual”.

Em seu discurso, o professor Othon ressaltou a beleza da diversidade e falou sobre a urgência de haver "diálogos de saberes" entre os povos. "Há tanto conhecimento no mundo. Seria tão bom trazermos essas pessoas para ensinar aqui na universidade", disse, referindo-se ao cacique Raoni. O geólogo também defendeu a missão da UnB e do CDS de “retornar às origens de Darcy Ribeiro, Anísio Teixeira, Cristovam Buarque, Roque Laraia” e de outros intelectuais que ajudaram a consolidar a Universidade de Brasília. “Aprendi com meus mestres que não dá para ser positivista com o ser humano, quantificar a vida", completou. 

Mariana Costa/UnB Agência
 

Ao receber o diploma de emérito, Othon agradeceu à família, aos amigos e ao reitor Ivan Camargo. “É uma honra receber esse título das mãos de Ivan, cujo irmão foi um dos melhores alunos que tive”. O reitor retribuiu. “Tenho uma admiração enorme pelo Instituto de Geociências e pela trajetória do professor Othon. Hoje ele deixa uma lição para a universidade: temos que aprender a tratar com carinho as pessoas que pensam diferente”, disse.

Todos os textos e fotos podem ser utilizados e reproduzidos desde que a fonte seja citada. Textos: Secom UnB. Fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.

Pesquisar Noticias [ ]

Fale conosco pelo
e-mail secom@unb.br